Flávio Bolsonaro, filho do Presidente, empregou Queiroz, que movimentou 7 milhões de reais em três anos, recebendo depósitos de assessores do gabinete de Bolsonaro. Nesse mesmo gabinete também estão parentes de milicianos que presos na operação "Os Intocáveis", são acusados de estarem envolvidos na morte de Marielle. Esses parentes também depositaram dinheiro na conta de Queiroz, que já fez depósito na conta de Michele Bolsonaro, primeira dama. Flávio Bolsonaro e as milícias é um caso de amor antigo, e o mesmo já demostrou sua admiração por milicianos ao homenageá-los e tentar, até mesmo, legalizar as milícias. O "Escritório do Crime", organização composta por milicianos toma conta da comunidade de Rio das Pedras, local onde Queiroz ficou escondido durante alguns dias até aparecer no SBT. Tudo bem pedagógico e bem explicado, para você entender que Marielle e Anderson foram mortos pelos que estão no poder, isso é fato.

Artigos