Brasil Econômia e Política Mídia Livre Sociedade Sustentabilidade

UM DISCURSO TRÁGICO QUE REVELA UM FUTURO PIOR AINDA.

Que fique uma coisa muito clara. O discurso de Bolsonaro ontem na ONU é mais do que uma tragédia. Ele não foi um discurso para o mundo, e sim as falas de um Presidente que tem sua popularidade em baixa se aproveitando de um palanque mundial para tentar garantir seu gado. Tudo que ele disse ontem não foi novidade alguma para nós brasileiros. Só que ao usar a ONU para aquele discurso el direcionou o mundo contra nós. De uma só vez, demonstrou sua inaptidão par o cargo, afastou investidores, atrapalhou o Agronegócio, deixou claro que o meio ambiente não é uma prioridade e que o índio é algo subjetivo para ele. Em 20 minutos ofendeu Raoni, os líderes mundiais que o criticam e tirou a imagem de um Brasil que diplomaticamente sempre foi apaziguador. Deixou transparente seu atraso no tempo, se utilizando de um discurso digno do auge da Guerra Fria. O mundo agora sabe de concreto, aquilo que desconfiava, o Brasil é governado por um doido que deve ter mandado tirar as cortinas do Planalto, para que os fantasmas de Fidel, Che e Chavez não se escondam por lá. E o pior, o mundo sabe que isso não é verdade, entende-se que ele ele faz isso para esconder o principal, ele não tem a menor ideia do que está fazendo, mas o Trump tem. Bolsonaro falou para os seus, e falar pra gente que não pensa é fácil, mas ontem, o mundo ouviu. Se a ideia era virar piada no exterior, deu certo. Só que essa piada trará consequências drásticas a economia, Deem uma olhada nos números da bolsa de ontem após o discurso.

Brasil Pilares da Reflexão Sociedade

Nada sobre nós sem nós

Mara Cristina Gabrilli é psicóloga, publicitária e política brasileira, filiada ao PSDB, é deputada federal por São Paulo (2011-2015 e 2015-2019). Na Câmara dos Deputados foi titular em quatro comissões: Comissão de Defesa dos direitos das Pessoas com Deficiência; Comissão de Seguridade Social e Família; e a Comissão Externa que acompanhou as ações referentes à epidemia […]