As mulheres são todas “Little Miss Sunshine”…  o furacão familiar (que todas nós passamos), e todas as situações que nós mulheres encontramos em nossa existência, para “existir”, e continuar a jornada, são quase impossíveis de serem reais mas são, e as mulheres abrem os caminhos para as pessoas que as cercam, mas a família sempre é o furacão, tufão e redenção…

As mulheres atualmente no Brasil, são diagnosticadas em sua maioria com síndrome do pânico, óbvio, pois as mulheres além de morar e sobreviver no Brasil, muitas são as responsáveis por suas vidas e as vidas dos filhos. Ser uma pessoa só já é algo que traz a insanidade, imaginem as mulheres que pouco vivem suas vidas para construir a vida da família e por vezes dos amigos também. Sim, as mulheres conseguem e por isso adoecem.

As mulheres disfarçam até onde conseguem a depressão, até onde conseguem… por vezes isso leva anos. Pois a prioridade são os filhos, seja ela feminista, anarquista, capitalista… os filhos são a razão da existência feminina, sempre foi assim e sempre será.

As mulheres são tão fortes e mesmo doentes, quando elas mesmas detectam a depressão, a sensibilidade feminina é algo indescritível porque as mulheres sabem quando adoeceram, mas normalmente as mulheres esperam a organização da vida dos filhos se desenhar, e assim seguem segurando suas dores, medos, síndrome e pânicos…

Todo mundo é depressivo, basicamente. O mundo judiou muito de todos e em especial das mulheres. E por uma depressão generalizada e sem hipocrisia, afirmo que a depressão vem de fatores bioquímicos ou sociais, por isso o juízo de valores sobre qualquer pessoa me desinteressa, o que me interessa é descobrir como as mulheres conseguem ser tão fortes mesmo quando estão doentes, algumas são fracas e destroem tudo por conta a egosfera , egosfera território surreal e cultivado por pessoas mimadas que se drogam com opióides e manipulam outras pessoas, uma das facetas da depressão.  

Voltando as mulheres, porque os egosféricos manipuladores são sociopatas destrutivos, que normalmente desconstroem as outras pessoas para receber privilégios e assim sustentam a tese absurda que são doentes perseguidos pelo sistema e a cisterna… todas as teorias dos egosféricos são tão desinteressantes que essas pessoas estão encenando o tempo todo, é perceptível porque o discurso é sempre o mesmo: a posse da razão dos fatos e de tudo! Mas as mulheres não trabalham a encenação do ego, mulheres na maioria das vezes buscam tratamento pelo simples fato de estarem bem para os seus filhos! Os filhos são a engrenagem da busca da cura ou tratamento adequado para as mulheres depressivas.

Uma grande amiga minha, adoeceu, e nessa época uma faculdade fazia atendimento psicológico gratuito, não que eu também estivesse naquela época preparada e estruturada para ajudar alguém, mas resolvemos ir até onde poderíamos pela amizade e pela filha dela, ela era recém separada e eu estava despreparada para ser alegre e motivacional, até porque também estava com preguiça de pegar o ônibus o biarticulado que tem lá em Curitiba, atravessar a cidade e esperar por uma consulta que não era minha, era para outra pessoa. Mas fomos, foi horrível, na minha impulsividade e vontade de resolver tudo, comecei a sabotar as falas dela após a consulta com a psicóloga da faculdade, tudo que ela relatava eu mudava de assunto, porque nós somos assim, preguiçosos emocionalmente até amadurecermos, ou nunca amadurecemos em realidade, nos tornamos tolerantes e rompemos o preconceito, e esse processo é lento, muito lento.

Ela continuou indo as sessões e eu não a acompanhava mais. Talvez receio de descobrir que eu teria que marcar sessões para mim também.

Eu propus ficar com a filha dela no fim da tarde para que ela fosse as sessões de psicanálise, fui sincera e disse que pegar ônibus após trabalhar o dia todo, e esperar estava fora de cogitação. Das sessões de psicanálise as s idas ao Psiquiatra, o que foi um passo correto, aceitar a medicação e não abandonar a terapia com a Psicóloga. As coisas começaram a melhorar, e observar aquela amiga lutadora e o amor pela sua filha, me trouxe o silêncio e um pequeno pedaço de paz, suficiente para aceitar a luta do outro, a luta de todas as pessoas que se esforçam pelos filhos.  

Na época eu comecei a observar que todos os meus amigos eram psicologicamente desorganizados, e eu também. Mas éramos e somos felizes, basicamente, com os erros , os poucos acertos e a insistência, somos insistentes! Insistir na vida é libertador e divertido.

Nessa época morávamos em uma capital, o que remete um interesse maior em buscar alternativas para entender as doenças oriundas da depressão, mas concluímos que cada pessoa tinha um motivo, um filho ou família que era a gaveta que quando aberta desencadeava as vulnerabilidades e fragilidades.

As gurias que já eram mães, eram as mais persistentes nos tratamentos e os cuidados com as medicações, até porque todas tinham medo de perder sem lutar, e sempre as motivação eram os filhos.

Uma mulher é uma leoa, mesmo ferida acolhe a cria.

A mulher, levanta quando cai, para pegar o filho no colo e colocar o mundo em seu coração!

Viver é maravilhoso. Maravilhoso é ver a luta do outro e conquistar a força para seguir com as pessoas, essa vida cheia de desafios e afetos, os afetos chegam quando somos capazes de ser afetuosos, sim porque o afeto é sustentado quando somos capazes de ser úteis.

Não seja um inútil social!

Seja como as mulheres, lute. Ninguém disse que viver é fácil, mas viver, viver de verdade, é lindo. Sempre será.

#SetembroAmarelo

 

    

 

Views All Time
Views All Time
124
Views Today
Views Today
1

Website

Follow Me:
Facebook



Posts relacionados

É dezembro mas parece o inverno de 1992!

FAMÍLIA BOLSONARO E O ASSESSOR DE 1 MILHÃO DE RAIS.

A técnica do copo com água

Educação e Sustentabilidade!

Onde está The Book?

As mulheres não são coniventes