Ensino Superior um desafio para ser sustentável
por: Cristiano Ricardo

Um pouco mais de calma, foi um desafio grande entrar pela primeira vez em sala de aula para ensinar, iniciar um ciclo que lá se foram 14 anos de seu início, da primeira vez que entrei na sala, vi aquela turma, e um certo orgulho de ter me preparado tanto para estar ali, e errei… Errei muito, mas também acertei, numa escala que não é inversamente proporcional pois tenho tentado errar menos que acertar mais e isso tem gerado resultados curiosos.

O mais interessante dessa reflexão é que percebi o quanto eu estava errado, e assim fui construindo o professor que sou hoje, aquele que consegue perceber que cada aluno, cada turma, e cada instituição de ensino tem muito mais que um perfil, mas uma necessidade diferente, e saber disso é essencial para o meu aprimoramento.

Quando era um aluno de mestrado, tive o prazer de ser aluno de uma pessoa que me revelou que essas ansiedades, esses desejos são naturais e migram conforme o tipo de aluno, e as formas de tornar o aluno interessado, é uma consequência da compreensão do mundo desse aluno e a preparação de alunas eficazes, é sim, estou escrevendo e recordando das aulas da querida professora Doutora Myriam Krasilchik, que tive o prazer de ser formado em Docência do Ensino Superior, na FE-USP, a seguir coloco um pequeno trecho do que ela deu ao SINPRO SP em 2013 ( 2º Congresso Pesquisa do Ensino) em que ela foi a professora homenageada e certamente compreenderão que a referência brasileira de ensino de ciências é realmente uma pessoa que representa o que é ensinar de uma forma bastante próxima de quem está disponível a aprender.

O desafio de tornar o ensino superior mais sustentável está em tornarmos nós professores, os demais colaboradores da instituição, estudantes e toda comunidade acadêmica focados na meta principal, capacitar pessoas a desempenharem funções de diversas atribuições e com isso, colaborar para que seja possível atender aos requisitos de continuidade, com a melhoria contínua intimamente ligada, assegurando qualidade e segurança na tarefa, função e/ou delegação destas.

Atualmente, a relação ensino-aprendizagem dentro da andragogia (ensino de adultos ou adultusgogia numa correção de nomenclatura) nos remete a compreender a profundidade de oferecer ao aluno toda possibilidade, todo leque de opções e ele compreender que seus limites podem se tornar vantagens, dentro de uma relação seja pessoal, seja profissional e assim, mudar o paradigma e ir a outro patamar.

Assim, encaro como uma linha para continuidade do trabalho docente observar os erros, estudar sua constituição e perceber como errar menos, e assim tornar possível que o meu trabalho na docência seja focado na melhoria do processo de ensino-aprendizagem, com o máximo possível das características que a sociedade atual exige destes que estão em processo de formação, assim como, torna-los capazes de observar seus erros, observar seus acertos, e com isso, evoluírem.

Views All Time
Views All Time
215
Views Today
Views Today
2


Posts relacionados

Educação e Sustentabilidade!

O PROFESSOR E OS FORMADOS PELA REDE SOCIAL – EXISTE POUCO O QUE COMEMORAR.

A meritocracia e o descaso com a pós graduação e a pesquisa no país

“Re-educar, para sobreviver.”

Yoga Verde, para Mulheres Sustentáveis!

O doce cheiro feminino – indústria cultural e o conceito que nos toma